Cada vez mais, e especialmente nos setores mais tecnológicos, as empresas compilam uma maior quantidade de dados nos seus centros com objetivos muito diferentes dependendo do setor. Estes dados podem conter informação confidencial, pelo que a sua manipulação requer muita cautela. A chegada de S/4HANA alterou significativamente o processo de migração de dados em SAP.

Evolução na migração de dados e a adaptação de SAP

A tendência para o aumento do volume de dados geridos pelas empresas a nível global tem sido claramente ascendente, como previu a Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa. Não há dúvida de que esta tendência continuará a aumentar nos próximos anos.

Em termos de implantações das nossas soluções tecnológicas, o processo de migração de dados entre o antigo sistema do cliente e o novo é um processo crítico. A correta manipulação das ferramentas que SAP proporciona é fundamental para o tratamento dos dados que serão migrados.

Até à chegada de S4/HANA, a ferramenta disponível para este processo em SAP era o Legacy System (LSMW), com o qual o consultor configurava o seu próprio ficheiro de migração seguindo os seguintes passos:

Em geral, os ficheiros utilizados para a migração massiva de dados eram gerados a partir do zero, construindo um arquivo com todos aqueles campos necessários nos objetos que posteriormente seriam migrados para o novo sistema. Este processo era frequentemente repetitivo e entediante até que se conseguia uma forma de migrar corretamente todos os objetos pretendidos.

Com a chegada de S4/HANA em 2015, o processo de migração dos dados mudou de forma significativa através do Legacy Transfer Migration Cockpit, o que representa uma melhoria.

Vantagens do novo Cockpit de migração

O fluxo de trabalho segue a mesma estrutura: produz-se uma extração de dados do antigo sistema num conjunto de ficheiros de dados e migra-se para o novo sistema, mas agora SAP apresenta um processo muito mais orientativo e pré-configurado daquele que seria de esperar em versões anteriores.

O Cockpit de migração está estruturado por projetos, que incluem os objetos de migração, e estes por sua vez contêm os ficheiros de migração de cada um dos objetos.

O Cockpit inclui formas já criadas com muitos campos utilizados nos diferentes objetos de migração. Isto facilita e agiliza o trabalho do consultor, que apenas deve adaptar o modelo para o objeto de SAP já existente. Além disso, a configuração dos campos encontra-se pronta.

Os ficheiros são altamente configuráveis através do Legacy Transfer Migration Object Modeler, o que permite personalizá-los adicionando ou eliminando campos e ainda programando regras para cada um dos campos em função dos requisitos do cliente. A hierarquia de campos também é definida através desta ferramenta, bem como a obrigatoriedade de cada um.

Processos como o mapeamento de campos adicionados ao ficheiro, fazem-se agora mediante o Drag & Drop, sendo muito mais visuais e intuitivos:

Se quisermos que um campo seja migrado, só temos de arrastá-lo a partir da lista.

Por outro lado, a transferência de dados para SAP inclui 4 passos:

  1. Durante a validação de dados, avalia-se se a estrutura do ficheiro é a correta, verificando se o formato em que foram introduzidos os dados é o adequado.
  2. Se necessário, serão convertidos alguns dos valores para o formato que SAP requeira.
  3. Por último, antes de executar a importação, simular-se-á tal importação para verificar se todos aqueles dados que vão ser migrados serão feitos de forma correta para o ambiente de SAP.
  4. Execução.

Conclusões: O futuro na migração de dados em SAP

Em cada uma das novas versões de SAP, esta ferramenta expande a sua funcionalidade com novas formas.

Um exemplo disso são as 16 novas formas incluídas na versão 1909, com um total de 85 objetos de migração, com as quais pretende-se continuar facilitando um processo tão crítico e delicado como é o da migração de dados entre diferentes sistemas.

Além disso, resta destacar que esta ferramenta é válida tanto para os sistemas On-Premise como para os Cloud de SAP.